15 de fevereiro de 2007

Um comentário do Jornal Nacional

Não comentei ainda sobre o assassinato de João Hélio e principalmente, sua repercussão.
Faz tempo. Mas no dia do ocorrido, durante o Jornal Nacional, a matéria referia-se ao caso dizendo algo do tipo: "Um dia após o ocorrido descobre-se que o responsável pelo crime só pode ficar três anos preso. A sensação de que algo está errado toma o Brasil."

O comentário foi mais ou menos esse. Já faz algum tempo. Mas fiquei com isso na cabeça. Parece que agora o que está errado é o fato de um menor não poder ser preso por tempo indeterminado. Na minha opinião, nessa observação está uma das chaves do problema.

O que está errado não é a pena. É o que leva alguém cometer tal atrocidade. Enquanto a sociedade não se convencer que é expandindo a cidadania, diminuindo desigualdades e combatendo a cultura da violência que se ataca a fundo o problema, continuaremos com a sensação de que "algo está errado".

Continuo com a teoria do filme "Laranda Mecânica". Não é com violência que se combate violência. Ainda mais em uma sociedade com um Estado que se pretende de Direito e universal. Vamos clamar por justiça, não pro vingança.

Um comentário:

Marina disse...

Muito bem escrito, Léo!
É muito horrível saber que tem pessoas capazes de fazer uma coisa dessas!
É exatamente o que vc disse, temos que descobrir o que leva alguém a fazer isso. É isso que tem que ser concertado!
Tb temos que entender que a pessoa que sofre com um acontecimento desses quer que os culpados sejam punidos, coisa que não acontece sempre, por isso a revolta.
Mas é o que vc disse tb, temos que lutar por JUSTIÇA, não por vingança!
Beijos,
Marina.

Os textos publicados neste Blog são de responsabilidade dos seus respectivos autores.

CopyLeft

Este blog permite a reprodução de seu conteúdo desde que citados fontes e autores. No entanto, não permitimos a reprodução total ou parcial do conteúdo deste blog por políticos em seus programas eleitorais, salvo quando autorizado por escrito pelo respectivo autor da mensegem ou pelo(s) respectivo(s) autor(es) dos comentários.